Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Biblioteca Ecclesia
 
 
 

As Igrejas Orientais e Ocidentais

O Henotikon de Zenon (482)

Zenon (imperador de 474 a 491), apud Evagrius, H.E. III.14

BETTENSON, Henri (editor). Documentos da Igreja Cristã. São Paulo: Ed. Aste/Simpósio, 1998 - nº 131 - Pág. 156-159

[Depois de Calcedônia, o nestorianismo que se propagara na parte oriental do Império Romano, tendo o seu centro em Edessa, foi difundido na Pérsia por Barsumas, surgindo assim a Igreja Cismática Persa (assíria). Os monofisitas continuaram fortes na Síria e no Egito. Zenon foi forçado a se exilar por dois anos, sendo o seu rival apoiado pelos monofisitas. O Henotikon (edito de reunião) buscava pôr fim ao cisma, que era um perigo político. Mas a sugestão do edito de que o Concílio de Calcedônia poderia ter errado levantou indignação no Ocidente e o Papa Simplício excomungou os Patriarcas de Alexandria e Constantinopla, bem como o próprio Imperador. Daí surgiu um cisma que durou até a subida de Justino ao poder, em 518, que reafirmou a definição de Calcedônia.]

Imperador Zenon César, piedoso, vitorioso, supremo, sempre devoto Augusto, aos reverendíssimos bispos e clérigos, aos monges e ao povo espalhados por Alexandria, Egito, Líbia e Pentápolis.

NÓS estamos convencidos de que a fonte e o sustentáculo de nossa soberania, sua força e inexpugnável defesa, é aquela única e verdadeira fé que, por inspiração de Deus, foi publicada pelos 318 santos padres reunidos em Nicéia e confirmada pelos 150 santos padres que, de modo semelhante, se reuniram em concílio em Constantinopla. Por isso, nos esforçamos noite e dia por todos os meios, por oração, por ações corajosas, por legislação, a fim de promover em toda parte o crescimento da santa Igreja Católica e Apostólica, a imaculada e imortal mãe de nosso reino, para que os leigos piedosos, permanecendo em paz e harmonia com Deus, possam juntamente com os bispos, ternamente amados por Deus, com o piedosíssimo clero, os arquimandritas e os monges, oferecer seu sacrifício aceitável em favor de nossa soberania. Visto que o nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo, que se encarnou e nasceu de Maria, a santa Virgem e Genitora de Deus, aprova e prontamente aceita nosso culto e serviço harmonioso, o poder de nossos inimigos será superado e disperso, e as bênçãos da paz, do tempo favorável e de colheitas abundantes, assim como tudo que vem em benefício do homem, nos será liberalmente concedido.

Por conseguinte, visto que a fé irrepreensível é a nossa defesa e a do Império Romano, recebemos petições de piedosos arquimandritas e eremitas, suplicando com lágrimas que as igrejas sejam restauradas na unidade, que sejam reunidos os membros que o inimigo de todo o bem desde o princípio tentou por todos os meios separar uns dos outros, sabendo que será derrotado se atacar quando o corpo estiver todo reunido. Com efeito, das inumeráveis gerações que o tempo levou desta vida no decurso de tantos anos, sucedeu que alguns morreram privados do banho da regeneração, enquanto outros foram levados sem terem participado da divina comunhão; além disto, foram cometidos inumeráveis homicídios e não somente a terra mas também o ar ficou poluído pela abundância do sangue derramado. Quem não oraria para que esse estado de coisas se transformasse em bem?

Por isto estamos ansiosos por informar-vos que nem nós, nem as igrejas através do mundo, temos professado, professamos ou professaremos, e nem sabemos de alguém que tenha professado qualquer outro símbolo, doutrina, definição de fé ou credo a não ser o santo símbolo supramencionado dos 318 santos padres, que foi confirmado pelos supraditos 150 santos padres. Se alguém professou outra coisa, nós o temos como estranho. Pois estamos seguros de que somente esse símbolo é a defesa de nossa soberania, como dissemos, e todos os que desejam a iluminação salvadora somente são batizados se aceitarem unicamente a este. Este é o símbolo seguido por todos os santos padres no Concílio de Éfeso, quando proferiram a sentença de deposição de Nestório e de todos aqueles que seguiam suas opiniões; ao qual Nestório nós também anatematizamos, juntamente com Eutiques e todos os que professam opiniões contrárias ao supramencionado. Ao mesmo tempo, aceitamos os Doze Capítulos de Cirilo, de bem-aventurada memória, arcebispo da santa e católica igreja dos alexandrinos.

Além disso, confessamos que o Unigênito Filho de Deus, ele mesrno Deus, realmente tomou sobre si a humanidade, nosso Senhor Jesus Cristo, e que, com respeito à sua divindade, é consubstancial com o Pai, sendo, com respeito à sua humanidade, consubstancial conosco; confessamos que ele, descendo e se encarnando por obra do Espírito Santo e da Virgem Maria, a Genitora de Deus, é um só e não dois, visto afirmarmos que pertencem a uma única pessoa tanto os seus milagres como os seus sofrimentos que, por sua própria vontade, Suportou na carne; de modo algum admitimos aqueles que fazem uma divisão ou uma confusão, ou apresentam um fantasma, afirmando nós que sua encarnação verdadeiramente sem pecado na Genitora de Deus não importou na adição de um Filho, já que a Santa Trindade continua a existir como Trindade mesmo quando um membro, Deus o Verbo, se encarnou.

Sabendo, portanto, que nem a santa Igreja ortodoxa em todo o mundo, nem os sacerdotes bem-amados de Deus que estão à sua testa, nem nossa própria soberania admitiram ou admitem outro símbolo ou definição de fé senão a santa doutrina supramencionada, sem hesitação nos unimos a ela. Escrevemos isto para a vossa segurança e não para vos apresentar uma nova forma de fé.

Anatematizamos todo aquele que confessou ou confessa qualquer outra opinião, quer agora, quer em outro tempo, quer em Calcedônia ou em outro sínodo qualquer; em particular anatematizamos Nestório, Eutiques e todos os que sustentam seus ensinamentos.

Portanto, uni-vos à Igreja, vossa mãe espiritual, e nela gozai a mesma comunhão conosco de acordo com a referida e única definição de fé, a dos 318 santos padres. Porque a vossa mãe santíssima, a Igreja, espera abraçar-vos como seus verdadeiros filhos e almeja por ouvir vossa voz que ela tanto ama e que por tanto tempo ficou retida. Apressai-vos, portanto, pois assim fazendo assegurareis para vós mesmos o favor de Nosso Senhor e Deus, Jesus Cristo, bem como a aprovação de nossa soberania.

Voltar à página anterior Topo da página
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas