Portal Ecclesia
Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Seleção de ícones bizantinos Galeria de Fotos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Calendário litúrgico bizantino Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas A Montanha Sagrada Links relacionados Contate-nos
 
 
 
 
 
 
 
 

06 de Agosto:

«Transfiguração de Nosso Senhor
e Salvador Jesus Cristo»

Apolitikion (7º tom)

Ó Cristo, nosso Deus,
que te transfiguraste sobre o Monte Tabor,
mostrando aos teus discípulos a tua glória
tanto quanto lhes era possível contemplá-la,
faze brilhar também sobre nós a tua luz eterna,
pelas orações da Mãe de Deus.
Ó Doador da Luz, glória a Ti!

Kondakion (7º tom)

Tu te transfiguraste sobre o Monte, ó Cristo, nosso Deus,
revelando a tua glória aos teus discípulos,
tanto quanto lhes era possível contemplá-la,
a fim de que, quando te vissem crucificado,
compreendessem que aceitaste livremente a tua Paixão,
e anunciassem ao mundo que és, em verdade, o Esplendor do Pai.

Prokimenon (4º tom)

Quão magníficas são as tuas obras, ó Senhor,
fizeste com sabedoria todas as coisas!

Bendize ó minha alma o Senhor,
Senhor, como és grandioso. (Sl 104,24-1)

Epístola

[2Pd 1, 10-19]

Leitura da Segunda Epístola de São Pedro

rmãos, cuidai cada vez mais de assegurar vossa vocação e eleição. Assim fazendo, jamais tropeçareis, e vos será amplamente aberta a entrada para o reino eterno de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Por isso não cessarei de vos trazer à memória estas coisas, embora estejais cientes e convencidos da presente verdade. Pois tenho por dever, enquanto habitar nesta tenda, estimular-vos ao máximo pela admoestação, considerando que breve verei desarmada minha tenda, segundo me manifestou Nosso Senhor Jesus Cristo. Quero, pois, empenhar-me para que, depois de minha partida, possais guardar lembrança disto. Na verdade, não é baseando-nos em mitos artificiosos que vos demos a conhecer o poder e a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas como quem foi testemunha ocular de sua majestade. Recebeu de Deus Pai a honra e a glória, quando da glória magnífica se fez ouvir a voz que dizia: "Este é o meu Filho muito amado em quem pus minha afeição". E esta voz descida do céu, nós a ouvimos, nós que com ele estávamos no monte santo. Assim demos maior crédito ainda à palavra dos profetas, a quem fazeis muito bem em atender, como a uma lâmpada que resplandece nas trevas até despontar o dia e surgir a estrela d'alva em vossos corações.

Aleluia

Aleluia, aleluia, aleluia!

Teus são os Céus e tua é a Terra
fundaste o mundo e tudo o que ele contém.
Aleluia, aleluia, aleluia!

Feliz o povo que tem o Senhor por seu Deus.
Aleluia, aleluia, aleluia!

Evangelho

[Mt 17, 1-9]

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo o Evangelista São Mateus

aquele tempo, Jesus levou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os fez subir a um lugar retirado, numa alta montanha. E foi transfigurado diante deles; o seu rosto brilhou como o sol, e as suas roupas ficaram brancas como a luz. Nisto apareceram-lhes Moisés e Elias, conversando com Jesus. Pedro, então, tomou a palavra e lhe disse: Senhor, é bom ficarmos aqui. Se quiseres, vou fazer aqui três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias. Ainda estava falando, quando uma nuvem luminosa os cobriu com sua sombra. E, da nuvem, uma voz dizia: Este é o meu filho amado, nele está meu pleno agrado: escutai-o! Ouvindo isto, os discípulos caíram com o rosto em terra e ficaram muito assustados. Jesus se aproximou, tocou neles e disse: Levantai-vos, não tenhais medo. Os discípulos ergueram os olhos e não viram mais ninguém, a não ser Jesus. Ao descerem da montanha, Jesus recomendou-lhes: Não faleis a ninguém desta visão, até que o Filho do Homem tenha sido ressuscitado dos mortos.

Kinonikón

Caminharemos, Senhor,
na luz da glória de tua face pelos séculos.

Aleluia, aleluia, aleluia!

Obs.:

Na Bênção Final, «Que Aquele que se transfigurou sobre o Monte Tabor, diante de seus santos discípulos e apóstolos, o Cristo nosso Deus» ...

Conclusão da Festa no dia 13 de agosto.

 

ão Mateus, o evangelista, descreve a transfiguração, no Monte Tabor, desta maneira:

«Depois de profetizar o Senhor para os Discípulos, a Sua morte na cruz, tomou Pedro, Tiago e João, seu irmão, e subiu com eles um monte alto (monte Tabor na Galiléia) sozinhos. Foi, então, transfigurado diante deles. O Seu rosto brilhou como o Sol e Sua vestidura tornou-se branca como a luz. Apareceram, também, Moisés e Elias, que falavam com Ele. Pedro alvitrou, então, que era bom ficar ali. Se quiser, disse ele, teremos aqui três tabernáculos, um para o Senhor, um para Moisés e outro para Elias. Enquanto ele falava, uma nuvem luminosa cobriu-os e uma voz dizia: ‘Este é Meu Filho amado em quem Me comprazo, ouviu-o’. Quando ouviram os discípulos caíram sobre seus rostos e tiveram muito receio. Veio Jesus e tocou neles dizendo: “Levantai-vos, não temais”. Levantaram os olhos e não viram mais ninguém, senão Jesus sozinho. Enquanto desciam do monte, recomendou-lhes Jesus que não contassem para ninguém o que viram até que ressurgisse o Filho do Homem de entre os mortos" (Mt 17, 1-10).

No Oriente bizantino a festa do 6 de agosto, Santa Transfiguração de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo, reveste-se de uma solenidade toda especial. Essa festa é lembrada desde o século IV pelos santos Efrém, o Sírio e João Crisóstomo e, entre os hinos litúrgicos, até hoje ainda em uso entre os bizantinos, muitos são de autoria de São Cosme de Maiúma e de São João Damasceno. Já no dia anterior à festa se evidencia a importância do evento em que aparecem a beleza primordial da criação e o inteiro plano salvífico:

«Hoje, em tua divina transfiguração,
a inteira natureza humana
brilha de divino resplendor
e exclama com júbilo: O Senhor transfigura-se
salvando todos os homens».

Kondakion da vigília (4º tom)

O tropário final da festa, bem como o kondakion, são repetidos mais vezes até o dia 13 de agosto. Ei-los:

«Ó Cristo Deus,
te transfiguraste sobre a montanha,
mostrando aos discípulos tua glória,
à medida que lhes era possível contemplá-la.
Também sobre nós, pecadores,
deixa brilhar tua luz eterna,
pelas orações da Mãe de Deus.
ó Doador da luz, glória a ti!» Kondakion (7º tom)

«Sobre o monte te transfiguraste e os teus discípulos,
à medida que o podiam, viram a tua glória, ó Cristo Deus,
a fim de que quantos te vissem crucificado,
compreendessem que a tua paixão era voluntária
e proclamassem ao mundo
que tu és verdadeiramente o resplendor do Pai.»

Com efeito, a narrativa evangélica, transmitida por Mateus, Marcos e Lucas, se encontra entre dois prenúncios da paixão de Cristo, e os três discípulos presentes ao evento da transfiguração são os mesmos que assistirão, embora de longe e sonolentos, à dolorosa oração de Jesus no Jardim das Oliveiras. Com freqüência no-lo lembram os textos litúrgicos bizantinos próprios do dia, como, por exemplo, este trecho das Vésperas:

«Antes da tua crucificação, Senhor,
o monte tornou-se parecido ao céu
e uma nuvem encobriu-o como uma tenda;
enquanto te transfiguravas, o Pai te testemunhou qual Filho.
Estavam ali presentes Pedro, Tiago e João,
os mesmos que estariam presentes contigo na hora da traição,
para que, tendo contemplado as tuas maravilhas,
não se perturbassem ao contemplar teus sofrimentos.
Concede também a nós, por tua misericórdia,
contemplá-los na paz.»

O ícone da Transfiguração encontra-se com freqüência, também porque é um tema que o iconógrafo deve privilegiar na sua atividade pictórica. Ele fica exposto, no meio da igreja, à veneração dos fiéis, desde a tarde do dia 5 de agosto até 13 do mesmo mês. O complexo pictórico resume bem o conjunto da festa conforme o esquema que nos foi transmitido por séculos. Ao centro domina a figura do Cristo em vestes brancas. Raios de luz se desprendem da sua pessoa e se espalham em todas as direções rumo à extremidade de um círculo, símbolo da verdade. Ele está no alto de um monte e aos lados, sobre dois picos rochosos, admiramos as figuras de Moisés e Elias, ligeiramente inclinados para o Salvador, com o qual conversam, representantes respectivamente da Lei e dos Profetas, que têm na pessoa do Salvador os seus cumprimento. Embaixo, a cena é mais movimentada e apresenta figuras do Novo Testamento: os três discípulos escolhidos para subir ao monte estão em atitude de grande espanto. À direita (de quem olha), Pedro, de joelhos, com uma das mãos se apóia no chão e com a outra aponta para o divino fulgor que observa de esguelha. Tiago e João estão caídos no chão e cobrem os olhos ofuscados pela luminosa teofania. A fraqueza humana perante o evento excepcional, por contraste, ressalta a paz transcendente e a divina segurança de Jesus, centro de tudo.

A tradição oriental reconhece na Transfiguração uma nova manifestação trinitária após a ocorrida no batismo de Jesus, porque no Tabor «a voz do Pai dá testemunho, o Espírito ilumina e o Filho recebe e manifesta a palavra e a luz.»

Existem outros temas sobre os quais os hinos litúrgicos dessa festa querem atrair a atenção dos fiéis: a "metamorfose" de Cristo "resplendor" do Pai; o prenúncio da Ressurreição de Jesus e nossa; a divinização da natureza humana, obscurecida em Adão e agora iluminada. Eis alguns desses temas hinográficos:

«Luz imutável da luz do Pai não gerado, ó Verbo,
na tua luz brilhante hoje no Tabor vimos a luz do Pai
e a luz do Espírito que ilumina toda criatura.

Vinde, subamos à montanha do Senhor,
à casa do nosso Deus,
e veremos a glória da transfiguração,
glória do Unigênito do Pai;
na luz receberemos a luz
e, elevados pelo Espírito,
cantaremos nos séculos a Trindade consubstancial.

Ó Cristo, te revestiste do Adão inteiro,
iluminaste a natureza outrora obscurecida
e na metamorfose do teu aspecto a divinizaste».

A teologia oriental insiste sobre a graça incriada, participação na luz que envolveu o Cristo no Tabor, «Graça deificante, emanação do Espírito Santo que vem a iluminar a Esposa para torná-la nupcialmente conforme ao Esposo», como escreve C. Andronikov, acrescentando:

«A Transfiguração, festa teleológica por excelência, nos permite aguardar a Páscoa e prever o porvir para além da parusia.»

A oração de São João Damasceno (século VIII), na Ode nona do seu Cânon para o dia 6 de agosto, é um convite que se estende até os nossos dias, para todos nós:

«Vinde, ó povos, segui-me;
subamos à montanha santa, rumo ao céu.
Fixemos espiritualmente a nossa morada
na cidade do Deus vivente
e contemplemos a divindade imaterial do Pai e do Espírito
que, em seu Filho único, resplandece.

ó Cristo tu me atraíste
e transformaste com o teu divino amor;
queima, pois, os meus pecados
na chama do fogo imaterial
e enche-me de tuas delícias,
para que, exultante de alegria,
possa glorificar, ó Deus de bondade,
as tuas duas vindas».

Para a igreja de tradição bizantina, a festa da Transfiguração (Metamórphosis) de nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo" é uma das 12 solenidades do calendário litúrgico. Isso traduz toda a teologia da divinização do homem.

Em um dos hinos da festa canta-se:

«Hoje, no Tabor,
transformou Cristo a escura natureza de Adão:
revestindo-a de seu esplendor, divinizou-a».

A referida festa parece ter surgido como comemoração de dedicação das basílicas do monte Tabor.

É posterior à festa da Exaltação da Cruz, da qual, no entanto, depende quanto à fixação de sua data. Com efeito, segundo uma tradição, a Transfiguração de Jesus tinha acontecido 40 dias antes da crucifixão. A solenidade tinha-se, pois, fixado no dia 6 de Agosto, isto é, 40 dias antes da Exaltação da Cruz, que é celebrada no dia 14 de Setembro.

A relação entre uma e outra festa sublinha-se, igualmente, pelo fato de que no dia 6 de Agosto começam a cantar-se os hinos (catavasias) da Cruz. Alguns hinos de Vésperas da festa começam, efetivamente, fazendo alusão à Cruz:

«Antes de tua Cruz, Senhor,
imitar o céu propôs-se o monte:
estendeu-se a nuvem como tenda.
Enquanto tu te transfiguravas
e de ti testemunho o Pai dava,
presentes ali estavam Pedro, João e Tiago,
uma vez que tinham também
de acompanhar-te no momento da entrega,
para que, com a visão de tua majestade,
não fossem de temores fácil presa
diante de tua dolorosa Paixão».

A festa tinha-se já propagado nos fins do século V. No século VI, já encontramos grandes representações que cobrem as capelas das ábsides centrais, nas basílicas de Parenzo, de Santo Apolinário em Ravenna, do Mosteiro de Santa Catarina no Sinai. Desde o princípio, o esquema iconográfico reproduz o momento central do relato evangélico, de sorte que poucas são as variantes e as adições particulares através dos séculos.

«Tu te transfiguraste, Cristo, no monte;
tua glória contemplaram os discípulos,
a fim de que, na cruz cravado ao ver-te,
pudessem compreender
que a Paixão era em ti voluntária
e ao mundo proclamassem
que tu és de verdade o esplendor do Pai.

Erguei-vos, preguiçosos,
não queirais à terra viver sempre apegados;
o vôo erguei até a altura,
rasteiros pensamentos de pecado
que minha alma amarrais ao terreno.

Corramos com Tiago, João e Pedro
e ao Tabor acorramos com presteza
para com eles ver de Deus a glória
e a voz escutar ouvida por eles
e na qual o Pai eterno confessaram».

Neste dia trazem os fiéis as frutas para a Igreja para que sejam abençoadas, como se fazia, antes, oferecendo as primícias para o Templo, conforme a lei.


Fonte:

O ANO LITÚRGICO BIZANTINO . DONADEO , Madre Maria. AM Edições.

O ÍCONE DA TRANSFIGURAÇÃO. PASARELLI, Gaetano. AM Edições

A Transfiguração, um esplendor do Reino

Extraído de «As Festas cristãs», de O. Clèment

Tradução de Pe. José Artulino Besen

s evangelistas sinóticos – Mateus, Marcos, Lucas – narram o evento da Transfiguração de modo quase idêntico: Jesus toma consigo Pedro, Tiago e João – os dois últimos são irmãos -, mais vezes companheiros seus privilegiados «porque eram mais perfeitos do que os outros», afirma S. João Crisóstomo; Pedro, porque amava a Jesus mais do que os outros, João porque era amado por Jesus mais do que os outros, e Tiago porque se unira na resposta do irmão: «Sim, podemos beber do teu cálice» (cf. Mt 20,22).

«A Transfiguração»

Jesus os conduz à parte a uma “alta montanha”, lugar por excelência das manifestações divinas; dirá a Tradição: o monte Tabor. Ali ele aparece radiante de uma luz esplêndida que emana “tanto de seu rosto brilhante como o sol” como de suas vestes – obra do homem, da cultura humana – e se irradia pela natureza circunstante, como o mostram os ícones.

Moisés – a lei – e Elias – os profetas – aparecem e conversam com Jesus. A primeira aliança aponta para a última. Lucas precisa que a conversa tem como tema o êxodo, a partida do Senhor. Pedro, em êxtase, sugere construir três tendas, na esperança de poder permanecer longamente naquele estado. Mas tudo está envolvido pela “nuvem luminosa” do Espírito, da qual ressoa no coração dos três discípulos agitados, prostrados com a face por terra, a voz do Pai: “Este é o meu Filho, o amado, escutai-o!”. Depois, tudo desaparece, e permanece Jesus, sozinho, que ordena aos três guardarem segredo a respeito do que tinham visto, “até que o Filho do homem ressuscitasse dos mortos”.

A partir do fim das perseguições romanas contra os cristãos, no século IV, foram edificadas diversas igrejas no Tabor. Sua dedicação parece estar na origem da festa que, a partir do VI século, difundiu-se por todo o Oriente Médio. No calendário ocidental foi estavelmente introduzida em 1457, pelo papa Calixto III, como reconhecimento pela recente vitória contra os turcos. Os evangelhos não permitem fixar, no ritmo anual, uma data para a Transfiguração. Com a intuição cósmica que o caracteriza, o Oriente fixou a data de 6 de agosto, grande meio-dia do ano, apogeu da luz do verão. Nesse dia se abençoam os frutos da estação; muitas vezes, nos países da bacia do Mediterrâneo, é a uva o fruto por excelência abençoado. O Ocidente, menos sensível ao alcance espiritual do acontecimento, mesmo conservando a festa da Transfiguração em 6 de agosto, preferiu acrescentar uma segunda celebração antes da Páscoa, no segundo Domingo da Quaresma, de tal modo seguindo mais de perto a cronologia da vida de Jesus.

No Oriente, a festa põe o acento na divindade de Cristo e no caráter trinitário de seu esplendor. “Conversando com Cristo, Moisés e Elias revelam que ele é o Senhor dos vivos e dos mortos, o Deus que tinha falado na lei e nos profetas; e a voz do Pai, que sai da nuvem luminosa, “dá-lhe testemunho”, recita a liturgia bizantina.

Contudo, a Transfiguração não é um triunfo terreno, que Jesus sempre rejeitou em sua vida – e aqui está o erro de leitura de Calixto III; nem mesmo é uma emoção espiritual para degustar – eis o erro de Pedro. É um lampejo, um esplendor daquele Reino que é o próprio Cristo, uma luz que é também a da Páscoa, do Pentecostes, da parusia quando, com o retorno glorioso de Cristo, o mundo inteiro será transfigurado.

Moisés e Elias, já o dissemos, falam com Jesus a respeito de sua partida, de sua paixão: apenas esta última fará resplandecer a luz, não no cume do Tabor, a montanha que simbolicamente representa as teofanias e os êxtases, mas no próprio coração dos sofrimentos dos homens, de seu inferno e, enfim, de sua morte. A liturgia ainda nos ajuda a entender: “Ouvi – diz o Pai – aquele que através da cruz esvaziou o inferno e dá aos mortos a vida sem fim”.

Para a teologia ortodoxa, a luz da Transfiguração é a energia divina (de acordo com o vocabulário precisado no séc. XIV por Gregório Palamas), isto é, o resplandecer de Deus: o mesmo Deus que, enquanto permanece inacessível na sua “supra-essência”, se torna participável aos homens por uma loucura de amor. Daqui a compreensão da importância desta festa para a tradição mística e iconográfica.

O resplandecer, o esplendor divino é tal que joga por terra, na montanha, os apóstolos. Mesmo assim, no Tabor ele permanece uma luz externa ao homem. Ora, ela nos é doada – como centelha imperceptível ou rio de fogo – no pão e no vinho eucarísticos. Então nossos olhos se abrem e nós compreendemos que o mundo inteiro está impregnado dessa luz: todas as religiões, todas as intuições da arte e do amor o sabem, mas foi necessário que viesse o Cristo e que nele acontecesse aquela imensa metamorfose – assim os gregos denominam a Transfiguração – para que enfim se revelasse que, à nascente dos veios de fogo, de paz e de beleza presentes na história, existe, vencedor da noite e da morte, um Rosto.


Fonte:

«As Festas cristãs», de O. Clèment

 

 
       
A Igreja Ortodoxa | Patriarcado Ecumênico | Arquidiocese Grega | O Monte Athos | Calendário Litúrgico | Canto Bizantino | Sinaxe | Synaxarion | Oratório | Sophia | N E W S