Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Suplemento Litúrgico para os Domingos e Grandes Festas  Domingo, 25 de Agosto de 2019:
 
 
 

«10º Domingo de Mateus»

(10º depois de Pentecostes - Modo 1°)

Memória do Santo Apóstolo Tito, [dos 70] (séc. I);

Matinas

Evangelho

[Jo 21:1-14]

Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São João.

aquele tempo, Jesus manifestou-se novamente aos discípulos, às margens do mar de Tiberíades. Manifestou-se assim: Estavam juntos Simão Pedro e Tomé, chamado Dídimo, Natanael, que era de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e dois outros de seus discípulos. Simão Pedro lhes disse: "Vou pescar". Eles lhe disseram: "Vamos nós também contigo". Saíram e subiram ao barco e, naquela noite, nada apanharam. Já amanhecera. Jesus estava de pé, na praia, mas os discípulos não sabiam que era Jesus. Então Jesus lhes disse: "Jovens, acaso tendes algum peixe?" Responderam-lhe: "Não!" Disse-lhes: "Lançai a rede à direita do barco e achareis". Lançaram, então, e já não tinham força para puxá-la, por causa da quantidade de peixes. Aquele discípulo que Jesus amava disse então a Pedro: "É o Senhor!" Simão Pedro, ouvindo dizer: "É o Senhor!", vestiu a roupa - porque estava nu - e atirou-se ao mar. Os outros discípulos, que não estavam longe da terra, mas cerca de duzentos côvados, vieram com o barco, arrastando a rede com os peixes. Quando saltaram em terra, viram brasas acesas, tendo por cima peixe e pão. Jesus lhes disse: "Trazei alguns dos peixes que apanhastes."Simão Pedro subiu então ao barco e arrastou para a terra, a rede, cheia de cento e cinquenta e três peixes grandes; e apesar de serem tantos, a rede não se rompeu. Disse-lhes Jesus "Vinde comer!" Nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe: "Quem és tu?", porque sabiam que era o Senhor. Jesus aproxima-se, toma o pão e distribui entre eles; e faz o mesmo com o peixe. Foi esta a terceira vez que Jesus se manifestou aos discípulos, depois de ressuscitado dos mortos.

Divina Liturgia

Apolitikion da Ressurreição

Embora a pedra fosse selada pelos judeus
e o teu puríssimo Corpo fosse guardado pelos soldados,
ressurgiste ao terceiro dia, ó Salvador, dando a vida ao mundo!
Por isso, as Potências celestes exclamaram-te, ó Autor da vida:
«Glória a tua Ressurreição, ó Cristo, glória a tua Realeza,
glória a tua Providência, ó Filantropo!»

Prokimenon

Venha sobre nós, Senhor a tua misericórdia
conforme nossa esperança em Ti.

Exultai, ó justos, no Senhor,
pois aos retos convém o louvor.

Epístola

[1Cor 4:9-16]

Primeira EpÍstola do Apóstolo São Paulo Aos coríntios.

rmãos, julgo que Deus nos expôs, a nós, apóstolos, em último lugar, como condenados à morte: fomos dados em espetáculo ao mundo, aos anjos e aos homens. Somos loucos por causa de Cristo, vós, porém, sois prudentes em Cristo; somos fracos, vós, porém, sois fortes; vós sois bem considerados, nós, porém, somos desprezados. Até o momento presente ainda sofremos fome, sede e nudez; somos maltratados, não temos morada certa e fatigamo-nos trabalhando com as próprias mãos. Somos amaldiçoados, e bendizemos; somos perseguidos, e suportamos; somos caluniados, e consolamos. Até o presente somos considerados como o lixo do mundo, a escória do universo. Não vos escrevo tais coisas para vos envergonhar, mas para vos admoestar como a filhos bem-amados. Com efeito, ainda que tivésseis dez mil pedagogos em Cristo, não teríeis muitos pais, pois fui eu quem pelo Evangelho vos gerou em Cristo Jesus. Exorto-vos, portanto: sede meus imitadores.

Aleluia

Aleluia, aleluia, aleluia!

Deus assegura a minha vitória
e me submete os meus adversários.
Aleluia, aleluia, aleluia!

Salva maravilhosamente seu servo
e usa de misericórdia com seu ungido.
Aleluia, aleluia, aleluia!

Evangelho

[Mt 17:14-23]

Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São Mateus.

aquele tempo, ao chegarem junto da multidão, aproximou-se dele um homem que, de joelhos, Lhe pedia: "Senhor, tem compaixão de meu filho, porque é lunático e sofre muito com isso. Muitas vezes cai no fogo e outras muitas na água. Eu o trouxe aos teus discípulos, mas eles não foram capazes de curá-lo". Ao que Jesus replicou: "Ó geração incrédula e perversa, até quando estarei convosco? Até quando vos suportarei? Trazei-o aqui". Jesus o conjurou severamente e o demônio saiu dele. E o menino ficou são a partir desse momento. Então os discípulos, procurando Jesus a sós, disseram: "Por que razão não pudemos expulsá-los?" Jesus respondeu-lhes: "Por causa da fraqueza da vossa fé, pois em verdade vos digo: se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a esta montanha: transporta-te daqui para lá, e ela se transportará, e nada vos será impossível". Estando eles reunidos na Galileia, Jesus Lhes disse: "O Filho do Homem será entregue às mãos dos homens e eles o matarão, mas no terceiro dia ressuscitará". E eles ficaram muito tristes.

 

«Se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda,
direis a esta montanha: vai daqui para lá, e ela irá...»

esus sempre procurou valorizar o pequeno. Aquilo que era muitas vezes menosprezado pelos homens, ele atribuía seu verdadeiro valor e importância. Procurava enaltecer o desprezível, o insignificante e o diminuto. Deu-nos muitos exemplos a este respeito para que pudéssemos aprender a rever nossa posição diante daquilo que é julgado anódino pela maioria. A semente de mostarda, o dracma perdido, a espiga de trigo, a ovelha perdida, o copo d'água oferecido ao sedento, são alguns exemplos que receberam de Deus o valor devido, mostrando-nos que nem tudo o que aparentemente é secundário para o mundo, seja assim para Deus. Ensinou que à criança pura e sensível está destinado o Reino dos Céus; e nos instruiu a imitá-la para que também pudéssemos ser dignos deste Reino. Jesus não era um homem das massas, não gostava de populismos, evitava o ufanismo, procurava orientar seus discípulos que não contassem aos outros a maioria dos milagres; preferia a sutileza da gratidão de um humilde a ser exaltado e homenageado pelos das camadas mais privilegiadas. Conhecia o coração das pessoas, sabia de seus sofrimentos e de suas inquietudes, estava ciente do quanto os homens são afligidos pelas doenças e pelas possessões do demônio.

Valorizou as viúvas indefesas, os órfãos, os servos, os pobres, os excluídos, os marginalizados, os doentes, os deficientes: todos eles sensibilizavam o Deus da Vida. Contudo, a criança era a predileção de Jesus. Via nela a imagem da pureza, a imagem do imaculado. Na criança a imagem e semelhança de Deus que nos foi dada na Criação permanecem fidedignas, pois Deus se revela pela sua candura. Nada sensibilizava mais seu coração quanto ver o sofrimento de uma criança inocente. Este é o cenário no qual Jesus se encontra: trouxeram-lhe uma criança que estava possuída por um espírito maligno e que por causa disso, sofria ataques de epilepsia que a levavam a cair no fogo ou na água para o desespero de seus familiares. Jesus ouve da boca do próprio pai que seus discípulos não foram capazes de curar seu filho que padecia de uma grave enfermidade e que por isso estava trazendo diante dele, como última esperança.

O Senhor expôs para todos a fraqueza e a pequenez da fé que seus seguidores mais próximos tinham; e denunciou que esta fé vulnerável era o motivo pelo qual a cura não tinha sido alcançada. A falta de uma fé consistente em Deus da parte dos discípulos fez o Senhor falar de um jeito mais enérgico beirando o desabafo e a rispidez: “Ó gente de pouca fé! Até quando deverei ficar convosco? Até quando terei que vos suportar?” Jesus estava se referindo a pouca fé dos apóstolos que, apesar de sempre estarem em sua companhia, pareciam não aprender muito com ele.

Imediatamente após esta censura, Jesus curou o menino. Bastou um gesto, bastou um toque. Sem espetáculos, sem alardes, sem ostentação, como lhe era peculiar, Jesus expulsou e venceu outra vez o demônio, e a cura foi imediata. Os discípulos ficaram atônitos diante da simplicidade do gesto de cura realizada pelo Senhor e se questionaram: “Por que nós não conseguimos expulsar o espírito?”.

O Senhor revelou que aquela “espécie de demônios não podia ser expulsa de nenhum outro modo, a não ser pela oração”. A oração nos faz íntimos com Deus e, por isso, conhecedores de sua vontade. A fé inquebrantável em Deus é resultante do contínuo diálogo com Deus. A comunicação diária com o Senhor estreita os laços de nossa filiação e nos faz sensíveis a esta realidade. Verdadeiramente, somos filhos de Deus em seu Filho, por isso faz a experiência desta comunhão quem de fato eleva sua alma e ora.

Muitos seguidores de Jesus, hoje e naquele tempo, queriam experimentar esta comunhão em suas vidas. A causa do insucesso era e continua sendo a falta de esforço e de persistência na oração. Sem oração não há fé inabalável. Sem um mínimo de fé não há como persistir na oração sincera. A fé é dom de Deus; para se tê-la é necessário pedi-la e para pedi-la é imperioso orar. A fé nos é dada à medida de nosso esforço em persistir na petição. Ela nos é oferecida aos poucos, para que da mesma maneira possamos contemplar a abundante graça divina que nos é ofertada.

Jesus diz a seus discípulos que se tivéssemos fé do tamanho de uma semente de mostarda transportaríamos uma montanha de um lado ao outro; e que faríamos obras maiores do que as dele. Esta constatação estampa a fragilidade da nossa fé em Deus, revela nossa falta de perseverança na oração. Talvez a montanha primeira que teremos que transpor seja nossa própria resistência na frequência da oração.

Quem reza aceita obediente à vontade de Deus. Aceita seus desígnios. Não questiona as dificuldades impostas pelo transcorrer dos acontecimentos, não atribui ao Criador responsabilidades que lhe são alheias; enxerga em cada instante o atuar incessante de sua providência nos caminhos da história. Enche-se de coragem e de entusiasmo e enfrenta as barreiras, pois sabe que Deus não lhe faltará.

Outro fruto da oração é a obediência à sua Palavra. Jesus, sinal da perfeita comunhão entre o homem e o Pai, entre o humano e o Divino, foi obediente à vontade de Deus. Predisse a seus discípulos, após curar aquela criança, que iria padecer e morrer mas ressuscitaria no terceiro dia. Seus seguidores não compreenderam aquelas divinas palavras, não sabiam do que ele falava. Compreenderiam mais tarde, quando o Divino Paráclito lhes foi enviado. É imprescindível que o Espírito Santo norteie nossos passos, que ele dirija nossos caminhos para que possamos compreender as palavras, os ensinamentos de Jesus nos dias atuais. As palavras são eternas, não mudam. Nossas atitudes diante delas é que precisam ser transformadas pelo Espírito Santo.

Nossa fé ainda permanece pequena mas há quem a tenha muito maior do que o tamanho de uma semente de mostarda. Talvez, estes, para não ganhar o aplauso vil do mundo, não estejam transportando montanhas, mas fazem a santidade de vida ser uma realidade possível. Vivem no anonimato servindo seu próximo no silêncio, procurando curar as pessoas das novas doenças deste século. São santos agindo no meio da multidão de maneira despercebida, mas atuante, como fermento levedando a massa. Homens de jejum, oração, que se entregam todos os dias à obediência e à escuta da Palavra de Deus; agem assim movidos pela fé e sabem que é pela candura, pela simplicidade e pela humildade do servir que recuperaremos a imagem da criança adormecida em nós e tão amada e valorizada por Jesus.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BÍBLIA – Bíblia de Jerusalém (Nona Edição Revista e Ampliada). São Paulo: Paulus, 2013.

 

Voltar à página anterior Topo da página  
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas