Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Biblioteca Ecclesia
 
 
 

Catecismo Breve

«Ortopráxis - maneiras de viver a Ortodoxia»

2. Ao ingressar em um templo Ortodoxo

O que se deve fazer primeiro quando se entra num templo ortodoxo? Deve-se aproximar do lugar das velas. Nossa piedade cristã, na prática, começa pelo ritual de ascender uma vela de cera. Seria impossível imaginar um templo ortodoxo onde não se ascendem velas de cera.

Um estudioso da Liturgia, São Simeão de Solun (Séc. XV) diz que a cera pura significa a pureza e a fé das pessoas que a trazem. Oferece-se a vela de cera em sinal de nosso arrependimento. A suavidade e a flexibilidade da cera falam de nossa disposição em ser obedientes a Deus. A chama da vela significa o calor de nosso amor a Deus.

«Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém»
 

Não se deve colocar a vela de uma maneira formal, com o coração frio. O ato físico deve ser acompanhado por uma simples oração, com palavras próprias. As velas sempre estão associadas aos ofícios da Igreja. Os que foram recém-batizados mantém as velas em suas mãos, como também os que se unem no sacramento do matrimônio; durante o ofício pelos falecidos e durante o hino do Akathistos; há ainda os que costumam segurar uma vela acesa, até mesmo durante a Divina Liturgia. Nas procissões os fiéis caminham portando velas, resguardando do vento com a mão a chama acesa. Não existem regras definidas a respeito do lugar ou da quantidade de velas que devem ser colocadas. Sua aquisição é um pequeno sacrifício a Deus e oferenda voluntária para ajudar na manutenção da Igreja ou o Monastério. Uma vela grande e cara de nenhum modo tem mais graça do que uma pequena.

Os que regularmente visitam o templo, colocam comumente várias velas: ao lado do ícone do santo do dia, posto sobre um porta-ícones no centro do templo, em frente aos ícones do Salvador e da Santa Virgem, pela saúde de seus entes queridos; diante do crucifixo sobre uma pequena mesa, pelo descanso dos seus falecidos e, se deseja seu coração, aos santos de sua devoção particular.

A Deus a vela de cera é agradável, porém, a chama que nasce do coração do fiel lhe é mais agradável. Nossa vida espiritual e a participação nos serviços religiosos não se limita à vela pois, por si só, a vela não nos salvará dos pecados, tão pouco nos unirá mais a Deus e nem nos dará forças para a luta invisível. A vela esta cheia de significado simbólico, porém, o que nos salva não é o símbolo, mas a autentica essência da Graça divina.

«Interior de uma igreja ortodoxa tradicional»
Fonte: Wikipedia

Em muitos templos ortodoxos se usam as famosas cúpulas chamadas "cebola" que na realidade tomam sua forma da chama das velas, como oração que, da terra, se eleva a Deus. Quando um cristão ocidental entra num templo ortodoxo para a Divina Liturgia, encontra-se como que em outro mundo. A principio, entra na Igreja, cuja forma, decoração e ornamentos não só estão submetidos a uma tradição como também tem um significado próprio. Depois de passar pelo nartex (uma sala retangular – uma espécie de entrada), chega à nave que não tem forma retangular a que se está habituado, mas quadrada. Ergue a cabeça, e ali está o Cristo Pantokrator, que o vê com majestade do alto da cúpula central. Ao redor das colunas que sustentam a cúpula estão os profetas, os apóstolos, os confessores semelhantes aos anjos, e nas abóbadas em torno da cúpula se encontram os querubins e serafins, os quatro evangelistas e algumas cenas da vida de Cristo: geralmente, as doze festas que são recordadas no calendário litúrgico. Mais abaixo, sobre as paredes, vemos as figuras de monges, ascetas, mártires, confessores e mestres. A fileira dos santos é como um marco que envolve toda a assembléia orante. De trás, na parede ocidental da nave, se apresenta a Assunção da Theotokos, a Mãe de Deus (a Dormição); no lado oriental, vemos uma parede ornada de ícones, o iconostasio, que separa a nave do santuário. Esta parede pode ser baixa ou pode também chegar até o arco.

No centro se encontra uma porta com duas folhas (A) e nas laterais outras duas portas com uma só folha (C).

Sobre o iconostásio há reproduções que ornamentam a nave, pintados ou em mosaicos. À direita da porta central de duas folhas, também chamada de "portas santas", se encontra a imagem do Cristo Pantokrator (D) e, à esquerda a da Theotokos com o Cristo menino (E). Sobre as portas santas se reproduz a Anunciação (A) e sobre as portas laterais de uma só folha, também chamadas setentrional e meridional, os arcanjos Miguel e Gabriel (F). Diretamente acima das portas santas se reproduz a "Última Ceia" (8). Nas portas santas, algumas vezes se colocam os quatro evangelistas. Outra fila de ícones (ou ordem das festividades), está formada pelos ícones que representam ações salvíficas de Cristo em sua vida terrena, nos que se recordam as mais importantes do calendário litúrgico.

Em algumas igrejas sobre eles, na quarta fila, estão os apóstolos em atitudes de oração voltados para o centro, onde aparece Cristo sentado no trono e ao seu lado os dois principais intercessores da humanidade: a Theotokos e João Batista (6).

As vezes, sobretudo nas grandes catedrais, existe ainda uma outra fileira de profetas que estão ao lado da Virgem com o Menino. Todo o iconostasio abraça a cruz com a imagem pintada do Senhor Crucificado (7).

Quando as portas santas estão abertas no centro do santuário que habitualmente tem forma semicircular, os que estão ali rezando podem ver o Altar ricamente adornado, de forma cúbica. Sobre ele se encontra a cruz, os castiçais e o Tabernáculo ou o Sacrário, muitas vezes em forma de templo onde se conserva o Sagrado Pão Eucarístico, consagrado durante a Divina Liturgia.

«Planta baixa de uma Igreja Ortodoxa»
Fonte: Wikipedia

O Altar é coberto primeiramente por um linho branco que representa o linho que envolvia Cristo; sobre ele, outro de material brilhante que representa a Glória do Trono de Deus. Ambos cobrem todo o altar. Sobre o Altar está o Antimênsion, (uma espécie de tela que tem gravado o ícone de Cristo no sepulcro e os quatro evangelistas e, para que seja válido deve estar assinado pelo bispo sob o qual está o sacerdote celebrante); sobre o qual se celebra os Santos Mistérios da Divina Liturgia. No verso do antimênsion há um pequeno casulo onde ficam depositadas relíquias de santos, o que equivale à pedra d'ara, nos altares ocidentais. Pode também haver relíquias de santos no altar, porém só quando este é consagrado.

As relíquias são usadas porque o sangue dos mártires, confessores e santos, depois de Cristo, constituem o fundamento da Igreja; e também, porque nos princípios do cristianismo, celebrava-se nas catacumbas sobre os túmulos dos mártires. Embaixo do Antimênsion, sob as toalhas do Altar, há outra seda de um material mais fino que representa as roupas com as quais o Menino Jesus foi envolvido depois de seu nascimento, simbolizando também o lençol do sepulcro. O altar, por sua vez, representa a pedra com a qual foi selado o sepulcro. Atrás do altar se pode colocar um candelabro com sete luzes simbolizando os sete sacramentos e uma cruz, ou apenas uma cruz, dependendo da tradição local de cada igreja.

«Altar principal de Igreja na Romênia»

O Livro do Evangelho, que é a Palavra de Deus, está sobre o altar para denotar que Deus mesmo está misticamente presente nele; e uma cruz de bênção pequena do lado direito do Evangelho, representando o Gólgota (lugar onde foi celebrado o Sacrifício incruento oferecido a Deus). Para os serviços episcopais há dois candelabros: Dikíion (de duas velas) e o Trikírion (de três velas) que representam, respectivamente, a dupla natureza de Cristo (humana e divina) e a Santíssima Trindade. Com eles o Bispo abençoa o povo.

É estritamente proibido colocar qualquer objeto, a não ser os acima mencionados, sobre o altar, devido ao significado dos mesmos e porque ali se celebram os Santos Mistérios. Utiliza-se uma esponja para coletar as partículas que caem sobre o Antimênsion e também aquelas que ficam no Disco (Patena).

Pode-se observar também as pinturas do Santuário. Na parte mais baixa, duas filas de bispos revestidos para a liturgia envolvendo o altar. Sobre eles, Cristo dando a comunhão aos apóstolos: com uma mão distribui o pão sagrado e com a outra dá o cálice, ou em outras ocasiões Cristo sentado em um trono. Da cúpula semi-esférica do abside , por cima do santuário, a Virgem olha para a nave (sua imagem pode ser vista da nave por cima do iconostásio). Os que estão rezando, porém, provavelmente não verão o outro altar sobre o qual se preparam o pão e o vinho eucarístico, chamado também de "prótesis", cujo acesso se dá pela porta setentrional do iconostasio. Tão pouco verão as pinturas que há em cima, que representam o nascimento, a morte e a sepultura de Cristo. Nem poderão ver a parte meridional do abside, que serve de sacristia ou "Diakonikon". Um típico templo ortodoxo com todas as lamparinas e velas e o cheiro do incenso que penetra todo o templo, distingue-se muito da atmosfera da celebração a qual está habituado um homem ocidental.

«Igreja Grega Ortodoxa da Apresentação da Santa Mãe de Deus (Theotokos) nos EUA»

O templo é algo mais que um simples lugar onde se reúnem uma assembléia em oração; é a imagem do céu sobre a terra. Se as partes baixas da nave representam o mundo visível, a cúpula e principalmente o santuário simbolizam o céu, onde os anjos, os arcanjos e todas as Potências celestes rendem culto a Deus Uno e Trino. O cristianismo ocidental observa que o templo ortodoxo suscita nele o santo temor...

Quando os ortodoxos entram no templo dão uma volta ao seu redor, beijam os ícones, ascendem as velas diante dos ícones e rezam. Podem levar até a porta setentrional do iconostasio um pequeno pão de forma redonda, chamado prósfora, isto é, oferenda. Este pão é dado ao diácono ou ao ministro junto com uma lista de intenções onde se rezam para os vivos e falecidos.

Voltar à página anterior Topo da página
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas